FILME “ESTADO CINZENTO” Cineasta americano contra Nova Ordem Mundial é assassinado

Uma questão de tempo para a sociedade servil obrigatoriamente considerar, de modo completo, o florescer de uma ditadura global. Dentro das resoluções absurdas do liberalismo contemporâneo, a serpente política que coabita com a multidão subversiva, à um tumor que levará a cabo a liberdade do povo: a paixão pela política superior. Confiaram à ONU o posto de “salvadora da humanidade”, e por intermédio de suas surpreendentes mudanças políticas, sociais e monetárias, que afirma ter feito para o bem de todos, arrancou vantagens para colocar em prática sua vontade monolítica. Sem esquecer das centenas organizações que fortaleceu politicamente à custas de financiamentos estatais, dentro de uma significação secreta chamada franco-maçonaria, o  que pretende usar para destruir e dividir a sociedade.

A sociedade foi traída pelos atos patrióticos entusiastas e pelo engano do “terror armado” que chegou abanando ser a maior ameaça de todos os tempos. A forma mais eficaz que o poder internacional encontrou para fazer acelerar os planos de dominação global, e levantar uma única força militar no mundo capaz de colocar a baixo em nome da “LEI” qualquer cidadão civil que se oponha as atividades criminosas da elite global.

Esta circunferência do mal tem uma capacidade insistente de vender demagogias a sociedade desmoralizada. Um trabalho de séculos que a fez conseguir a onipresença tecnológica. Obviamente assegurado na subversão tecnotrônica que provou baixar o coeficiente intelectual da população. O que foi imprescindível para integrar-se na política mundial comunista, como também para obter concessões privilegiadas. Suas grandes publicidades fizeram a sociedade atualmente seguir os passos dos homens mais influentes. Basta anunciar uma de suas iniciativas públicas, com razões da solução patológica, para o povo se render cheio de complacências interinas, se curvando à uma daquelas reuniões de mesa redonda. A garantia da infalibilidade do Novo Regime parte da idéia de que as massas podem ser manipuladas por teorias. Fizeram acreditar em muitas mentiras, a exemplo o aquecimento global.

Infelizmente a maioria da população mundial renuncia as suas próprias convicções para acreditar que sua sobrevivência depende da capacidade das instituições intelectuais – eleitas pelos planejadores da globalização. Pior, ainda reconhecem como “mérito” recebimento de informações sobre ofertas globais apoiados numa arma ainda mais letal: a televisão. A indústria dos meios de comunicação, totalmente controlada pelo poder supranacional, transformou o povo em papagaios do sistema corporativo. A opinião pública não é mais um problema para eles!!

Então, quando surge uma alma corajosa para enumerar e expor os fatos contraditórios que a sociedade está costuma ouvir pela televisão, por cima das leis desfiguradas pelas falsas interpretações, comprometendo o sentido do que julgam necessário, a força invisível vem elimina o arquivo! Foi o que aconteceu com o cineasta David Crowley. Em 17 de Janeiro foi encontrado morto em sua casa em Minnesota junto com a sua esposa e, filhinha de 5 anos, ambos com um tiro na cabeça.

Crowley produzia o filme Gray State “Estado cinza” que tratava de detalhes secretos sobre uma aquisição majoritária do Governo Americano e do estado volátil de aplicação da lei marcial depois de uma crise americana. O cineasta declarou numa entrevista em 2012, de acordo com AnonHQ que sentia que era sua responsabilidade informar sobre a possibilidade de um golpe político nos EUA em conseqüência a Nova Ordem Mundial. O INFOWARS se posicionou dizendo “um filme altamente comprometedor, com fatos que descrevem um estado policial brutal, repressão de lei marcial, seguida de identificações biométricas, em estado de vigilância onipresente, e o FEMA policiando dissidentes em campos de concentração”.

Um trabalho importante, de delação oficial, interrompido por uma chacina puramente política, que virou caso de família suicida. Já os periódicos mais importantes do assunto levantado por Crowley, do que se planeja fazer contra a ortodoxia americana, rádios nacionais, cadeias de TV negaram cobrir o tema e não se atreveram falar sobre a “Lei Marcial” aprovada na gestão Bush.

A história só se repete, e as feras desta força invisível estão soltas para cassar quem se opõe aos ditames da Pátria Maior. Só tive acesso ao caso “Crowley” por causa de certas impotências desesperadas da internet que se pronunciam contra a Nova Ordem Mundial. No que concerne o plano da Elite global, de emplacar o golpe mundial sobre as Repúblicas em um único dia, acreditem, não se pode lutar contra este poder com força humana [a porta que salva é Jesus Cristo]. Quanto ao povo americano, as mãos deste governo já estão estendidas por todos os lados para encorajá-los a reagir contra estas mudanças, do qual deverão submeter-se, de modo que serão devorados, assassinados e encaixotados como subproduto. O fim da democracia virá como marco histórico de catástrofe política [Novo Regime].

Aqui reside a esperança daqueles quem tem a fé em Jesus Cristo, que aguardam seu retorno de glória, do arrebatamento do povo crente, para morar no seu Reino absoluto. Um Reino de Paz e Justiça Eterno, onde toda lágrima será enxugada pelo Senhor! Maranata, Jesus está voltando!

 

.

Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

2 respostas para FILME “ESTADO CINZENTO” Cineasta americano contra Nova Ordem Mundial é assassinado

  1. amtf pe disse:

    Sra. Presidente: A Maçonaria brasileira, como deve ser de seu conhecimento, no passado promoveu ou, pelo menos, inspirou mudanças profundas nos rumos da Nação.

    Hoje, achamos por bem sair do recato de nossas oficinas e nos expor, junto ao povo brasileiro, que temos todo o orgulho de compor, ao lado de mães e pais de família, trabalhadores rurais e urbanos, empreendedores, empresários honestos, jovens e crianças às quais ensinamos princípios de conduta cidadã, para dirigir-lhe esta carta, pública e transparente.

    É necessário que se diga que nós, Maçons, não somos uma “elite branca”. Somos a pluralidade do povo brasileiro, reunindo irmãos pardos, brancos, negros, caucasianos, indígenas etc. Mais ainda, temos por princípio o respeito às crenças religiosas e tendências políticas de cada um de nós: entre os Maçons, encontramos católicos, espíritas, evangélicos, budistas; oposicionistas e situacionistas, com ou sem vinculação a partidos políticos.

    [image: Carta Aberta dos Maons a Dilma Rousseff]

    Porém, há séculos, deixamos de ser construtores de catedrais para sermos construtores sociais. Por isso, é impossível presenciarmos as escabrosas revelações trazidas a público por um respeitável brasileiro, dr. Sérgio Moro, e uma equipe de patriotas que compõem o Ministério Público (em todos os níveis) e a Polícia Federal, sem que nos manifestemos.

    Juramos defender nossa Pátria contra agressões movidas contra ela, e a corrupção desenfreada revelada nos escândalos recentes (há mais por vir, além do famoso Petrolão) não só agride nosso amado Brasil como é mácula que envergonha nossa história, infelizmente. Por isso mesmo, tal nódoa não deve nunca ser esquecida, para que as futuras gerações não repitam a negligência, má fé, omissão, incompetência e descaso com a aplicação dos recursos que os brasileiros recolhem aos cofres do Tesouro Nacional, como hoje se constata em todos os escalões de seu (des) Governo.

    Mas os golpes dados à Ética não param na rapinagem posta em prática por quadrilheiros de seu partido e de partidos aliados. Vão mais além: roubaram-se toda a fé e esperança de um povo, por meio de mentiras irresponsáveis, num presente e futuro promissor deste País.

    Devemos recuperar a memória: há poucos meses, em suas promessas de campanha (diga-se de passagem, reprovável pela destruição de reputações e discursos mentirosos, aviltando os demais candidatos à Presidência de nossa República), registramos o compromisso de queda de 18% nas tarifas de energia. Hoje, amargamos uma alta de quase 30%, em média, em tais custos; a prometida queda nas taxas de juros foi desmentida pela sua elevação, que diminui o poder de compra de brasileiros, o grau de investimento de nossos sofridos empreendedores e devolve ao limbo da pobreza os milhões de pessoas que seu (des) Governo diz ter tirado da miséria.

    Nossos pais nos ensinaram que “mentir é muito feio”, Presidente. Achamos que seus pais não lhe devem ter dito tal frase. Se o tivessem feito, possivelmente a vergonha não lhe permitiria ocupar o mais alto cargo do funcionalismo público da Nação. Repetimos: sua Excelência é uma privilegiada funcionária pública.

    Traduzindo: sua função é servir ao povo, e não vilipendiá-lo, mesmo que indiretamente, por omissão, conivência ou incapacidade de conduzir uma máquina estatal que sua Excelência transformou em paquidérmica.

    Enfim, nada do que foi dito aqui é novidade. Acreditamos em sua capacidade de autocrítica – termo muito utilizado por seus pares de esquerda.

    O que queremos deixar claro é que, tanto sua Excelência quanto muitos parlamentares, não tiveram competência de ouvir o clamor das ruas, que bradamos em 15 de março próximo passado.

    Não é à toa que o mote das próximas manifestações é expresso pelo slogan ELES NÃO ENTENDERAM NADA. Vamos tentar, ao máximo, ser claros:

    1. O povo brasileiro não pediu pela Reforma Política (aliás, extremamente tendenciosa), cujos termos foram tornados públicos; é necessária, isto sim, uma REFORMA DE GOVERNO. Sua gestão está marcada pela marca recorde de TRINTA E NOVE MINISTÉRIOS, muitos deles criados para abrigar apaniguados do seu partido ou de partidos aliados. Se o tamanho descomunal de seu (des) Governo se revelasse eficiente, seria mais fácil de engolir. Ao contrário, o Estado, hoje, é comparável a um buraco negro, que engole os recursos públicos no pagamento de regalias e benesses, folha de pagamento de um exército de comissionados, além dos profissionais de carreira, sem que haja a devolução, aos sofridos brasileiros que sustentam seus luxos, na forma de serviços públicos e infraestrutura de qualidade;

    2. O clamor popular, que sua Excelência não escutou, pedia pela TRANSPARÊNCIA DA APLICAÇÃO DE RECURSOS NACIONAIS, por meio do BNDES, em países mantidos por governos, em sua quase totalidade, ditatoriais. Será mera coincidência? Todos eles participam do “clube” denominado Foro de São Paulo, que reúne todos os partidos de extrema esquerda da América Latina e Caribe, além de organizações criminosas e terroristas, como as FARC. Presidente, somos carentes de tais obras de infraestrutura aqui, na nossa terra, e temos certeza de que isso é de seu conhecimento. Sem falar da necessidade de investimento em Educação e Saúde. Desconhecemos, porém, suas reais intenções. Mas não se dê ao trabalho de revelá-las. Não saberemos nunca se sua Excelência estará falando a verdade;

    3. O povo brasileiro não admitirá, em hipótese alguma, que o MINISTRO DIAS TOFFOLI PRESIDA A 2ª TURMA DO STF, que irá julgar os crimes perpetrados no escândalo denominado Petrolão. Ele tem notórios impedimentos éticos para tal: foi advogado de seu partido, assessorou o ex-ministro José Dirceu (réu condenado pelos crimes praticados no escândalo conhecido pelo CARTA ABERTA À PRESIDENTE PÁG. 3 codinome Mensalão) e, nas últimas eleições, portou-se de forma, no mínimo, suspeita, durante a apuração dos votos (apuramos as histórias referentes à empresa Smartmatic – lembre-se: estamos na Era da Informação, e ela circula com velocidade estonteante. Basta saber e querer acessá-la. As máscaras, neste século, caem rapidamente).

    4. Não há necessidade, presidente, de que seu governo crie pacotes anticorrupção. Nosso Brasil tem leis e Constituição que preveem e punem crimes de responsabilidade, crimes de peculato, crimes de corrupção ativa e passiva, crimes contra a República, crimes de traição à Pátria etc. O que é necessário é que seu partido DESAPARELHE O PODER JUDICIÁRIO e limite-se ao Executivo e Legislativo. Lembre-se, presidente: seu partido não é o Brasil e o Brasil não se tornará, nunca, um único partido político. O povo brasileiro tem inteligência e discernimento suficiente para reconhecer que seu partido não tem um projeto de governo, mas um projeto de poder, que, via corrupção sistêmica, busca ocupar todos os espaços da administração pública.

    Enfim, presidente (não usamos, até o fim desta carta, o vocábulo presidenta para não agredir nosso vernáculo), para sermos objetivos, confiamos no seu discernimento: escute as vozes da Nação. Execute, sem mentiras de ora em diante, o que o povo brasileiro exige que seja feito.

    Caso não esteja ao seu alcance, em virtude de possíveis compromissos indeclaráveis firmados com aliados escusos, ponha em prática uma saída honrosa: demita-se, renuncie, alegue problemas de saúde que merecem cuidados.

    Invente qualquer desculpa. Mentiras partidas de sua Excelência não serão novidade. Será menos doloroso para o País e para a presidente que um processo de impeachment, recurso constitucional que detém a Nação brasileira para afastá-la definitivamente da vida pública.

    Entre para a história pelo fato de ter reconhecido erros e incompetência para gerir o destino de milhões de compatriotas. Não permita que seu (des) Governo chegue ao nível zero de aprovação popular.

    Gostaríamos de finalizar esta carta aberta com a expressão “Respeitosamente”, mas isso é impossível.

    O povo brasileiro merece RESPEITO. Isso não nos foi dado.

    Em contrapartida, sua excelência perdeu todo o respeito que poderíamos lhe dedicar.

    Artigo publicado no *Alerta Total – http://www.alertatotal.net *

  2. Leandro disse:

    Vivemos em tempos obscuro, só Deus mesmo para nos proteger.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s